[ editar artigo]

Da graduação ao mercado de trabalho: saiba como trilhar essa jornada

Da graduação ao mercado de trabalho: saiba como trilhar essa jornada

A entrada no mercado de trabalho é um processo desafiador. Em condições comuns, é necessário pesquisa, planejamento, estudo e bastante jogo de cintura. No entanto, é preciso acrescentar a esse contexto a já tão citada pandemia, que afetou consideravelmente a economia e, por conseguinte, as contratações. Segundo o PNAD contínuo, a pesquisa de emprego do IBGE, a taxa de desemprego bateu um recorde em 2020, chegando a 14,6%. Naturalmente, muitas empresas fecharam as portas e, assim, as oportunidades profissionais diminuíram

 

 

Para quem está na graduação de comunicação e afins, a expectativa em torno do mercado de trabalho é uma questão frequente. A vontade de conhecer e aprender a profissão na prática é uma das principais metas, sobretudo, na medida em que o curso vai avançando. Estagiar em agências, participar de jobs relevantes, conviver com profissionais maduros e construir um portfólio. Tudo isso faz parte de um cenário ideal na jornada rumo à vaga dos sonhos. Contudo, a trajetória do estudante nem sempre acontece dessa forma.

 

Há diversos componentes envolvidos, inclusive o emocional. De acordo com Ana Júlia Corvisier, estudante de Letras e Estagiária de Ativação e Performance da Zahg, existe uma certa ansiedade no processo, como uma voz na cabeça fazendo pressão para a conquista do estágio tão esperado. De fato, obter uma boa oportunidade e ter espaço para aprender a profissão, sem dúvida, são pontos que podem decidir o futuro profissional de alguém, mas é importante ter um ambiente favorável, mentores dispostos a ensinar e dividir conhecimentos. Além de propor desafios para o amadurecimento do profissional.

 

Acho que para o universitário que está realmente começando, o principal anseio é desenvolver novas habilidades e criar experiências, mas para os que já têm uma certa vivência na área, acredito que seja mesmo obter novos desafios no dia a dia.

Tatiane Ferreira - Assistente de Social Intelligence na Zahg

 


Para Letícia Mendes, recém-formada em Publicidade e Propaganda, uma postura proativa em um ambiente favorável ao aprendizado faz toda a diferença. Em sua experiência, ela começou como estagiária e, hoje, é Analista Sênior de Ativação e Performance na Zahg. Uma trajetória repleta de desafios, um diploma de Bacharel e um prêmio de melhor TCC do Brasil. Nas linhas a seguir, através de uma entrevista, ela compartilha conosco um pouco da sua vivência na busca pela realização profissional. 

 

                             ENTREVISTA

Letícia Mendes: da graduação ao mercado de trabalho 

 

1. Hoje, após a formatura, tudo parece sob controle. No entanto, durante a graduação, quais eram suas principais questões em relação ao mercado de trabalho? 

Quando iniciei a faculdade, sabia exatamente o que eu queria cursar porque já tinha trancado um curso anterior, mas olhar para um mercado que era bem diferente do que eu já estava inserida foi assustador. No primeiro ano trabalhando com Publicidade, tive diversas dúvidas se estava fazendo a coisa certa. Realmente, não achei que iria me acostumar com a forma dinâmica da área, além dos vários termos que eu ficava com cara de interrogação. Também rolou um medo super grande de arriscar dar um passo para trás, porque eu saí de uma empresa que estava estável para iniciar um estágio. Hoje, vejo que foi a melhor escolha que fiz.

 

2. Você já tem quase 3 anos na Zahg. Do início na empresa até hoje, como avalia a sua evolução? 

De forma surpreendente para mim, eu me desenvolvi muito rápido. Eu tinha muita insegurança com a função, porque era totalmente nova, mas sempre fui extremamente curiosa com tudo o que rolava ao meu redor e questionava qualquer pessoa que estivesse falando sobre algo que eu não entendia. 

No entanto, eu não atribuo isso somente a minha curiosidade, mas também às pessoas que estavam ao meu lado e que me auxiliaram a entender desde o básico até os macetes diários para facilitar a vida do publicitário.

 

3. O seu processo de conclusão de curso foi realizado em paralelo ao seu crescimento profissional no mercado de trabalho. De que maneira foi possível conciliar essas duas responsabilidades? 

Acho que organização e trabalho em equipe foram essenciais para fazer com que todo esse processo funcionasse. Sempre tive ao meu lado, seja na faculdade ou no trabalho, pessoas das quais eu podia realmente trocar experiências e dividir tarefas. 

E também é muito importante falar que, além dos amigos/mãe e irmã (que me ajudaram muito), nos últimos anos de faculdade, eu comecei a fazer terapia e isso facilitou para que eu não criasse problemas grandes em coisas que poderiam ser resolvidas com uma boa conversa.

 

4. Você recentemente escreveu um artigo aqui na Academy com dicas para um bom TCC. Mas sabemos que, nos minutos finais, a apresentação também conta muito. Como você lidou com a sua diante da banca na faculdade? 

A minha experiência com treinamento me fez ter uma facilidade em lidar com o fato de “falar em público”, então, apesar de todos os ensaios e do nervosismo, eu aprendi a controlar um pouquinho mais as emoções e focar no que preciso apresentar. Óbvio que, mesmo com a prática, gaguejei, errei informações, mas, ainda sim, deu certo no final.


5. Vimos que a premiação do seu TCC pela APP (Associação de Publicidade e Propaganda) foi um acontecimento bastante importante na reta final da sua graduação. Como o seu trabalho de conclusão de curso chegou até lá?

Nós tivemos um trabalho muito complicado que foi atender todos os requisitos de um trabalho acadêmico e, ainda sim, tornar o processo mais a cara da agência Trampo (agência experimental da qual eu fazia parte).

Na montagem do projeto, incluímos todos os passos que eram obrigatórios, mas também saímos do padrão do que a faculdade pediu, seja na forma de storytelling que foi feita a apresentação ou nas peças que produzimos. Acredito que tudo isso tornou o projeto vencedor. Foi divertido de fazer e de apresentar!


6. Na sua opinião, quais são os atributos que um profissional em início de carreira deve ter para obter sucesso?

Atenção e curiosidade. O primeiro ponto para que a pessoa possa entender todo o contexto que ela está inserida, principalmente na nossa profissão, na qual um errinho pode ter grande impacto pro cliente. E a curiosidade é para tudo, seja para entender um problema, seja para buscar novas ideias, seja para perguntar sobre algo que pode parecer muito simples. Ser curioso nos faz ir além.

 

7. Enquanto profissional em ascensão, quais são as suas expectativas para o futuro?

Sempre desejei que o conhecimento que tenho e que estou adquirindo não fosse algo que ficasse somente para mim. Como expectativa para o futuro, quero desenvolver um projeto, no qual possa compartilhar aprendizados que auxiliem quem está ingressando no mercado e, talvez, até quem já tenha um pouco mais de experiência.



E você, gostou das dicas e da entrevista? Continue acompanhando os conteúdos da Zahg Academy para se manter atualizado e preparado para o mercado publicitário.

Na semana passada também saiu um episódio do ZAGHCAST, o podcast da Academy, sobre o profissional de mídia 360º.  Para ouvir, clique aqui!   

ZAHG Academy
Ler conteúdo completo
Indicados para você